Skip to main content

Costureiras-Como Contratar- Dr Gestão

Esse conteúdo pode fazer com que você que está do outro lado fique espantada, aborrecida ou até mesmo chateada comigo, mas ele é para te ajudar. Sou apaixonado por essa profissão, já trabalhei com muitas costureiras talentosas e amo muito esse ofício. Hoje falaremos sobre costureiras: como contratar.

Este artigo também se destina ao grupo de pessoas que possuem uma oficina/facção ou também uma confecção, para que possam contribuir com esse profissional de costura, auxiliando este na prática. Meu nome é Luiz Roberto Saraiva e sou também conhecido como Dr Gestão da indústria de confecção e roupas. Peço que fique comigo, garanto que você vai gostar deste conteúdo.

Costureiras como contratar?

Atualmente o mercado mostra uma tendência na busca de costureiras polivalentes, mas o que seria ser polivalente? Polivalência no ramo da costura é saber trabalhar no mínimo em  duas máquinas diferentes.

Dependendo do produto que se trabalha, um terno ou blazer, por exemplo, tem muita incidência de reta. Se for possível trabalhar em várias operações utilizando uma única máquina é compreensível, no entanto o mercado de moda atual exige uma grande variação de produtos e as montagens dos mesmos.

         É seguro afirmar que os profissionais que utilizam a reta em seus trabalhos possuem muito talento e são altamente qualificados, no entanto, muitas vezes tenho visto no mercado estas profissionais trabalhando em muitas máquinas com grande facilidade. Costuma-se denominar essas profissionais, devido à sua capacidade de trabalho utilizando quase todas as máquinas, como a “pilotista”.Pilotista é costeira que monta a peça de roupa toda. Essa peça é chamada peça piloto .

O mercado de moda cresceu bastante e houve um aumento de produtos com a necessidade do uso da máquina reta e o grau de dificuldade dessas peças está cada vez maior. Hoje a fabricação de produtos de malha tem muita máquina reta, então costumo dizer, que a malha, acabou virando é um tecido. E pelo nível de habilidade das costureiras as operações nessas peças de roupa exigem muito mais experiência devido à dificuldade de fabricação.

O outro ponto que gostaria de falar se refere a essa preocupação de não ser especialista que coloquei aqui. Já escutei muitas costureiras que costumam brincar de falar que elas vivem no tempo do ista, overloquista, retista, etc. É bom que você entenda que o especialista vai realmente ficar muito ultrapassado no mercado. Então falo para você que está do outro lado, você que é faccionista e confeccionista, a especialista de mercado atualmente terá muitos problemas em termos de liderança.

Problemas em trabalhar em equipe com ela, na hora de fazer o balanceamento e até mesmo quando voltar para o mercado ela irá encontrar uma grande dificuldade de conseguir uma empresa que aceite-a trabalhando apenas em uma máquina tal como overloque, colarete ou mesmo a reta, pois  sua contribuição será inferior. Quando acontece muito de uma profissional trabalhar em uma única máquina e ser especialista nesta, passa a ocorrer muitas operações adiantadas. Acaba virando aquela brincadeira né? Não adianta adiantar, o importante é ter uma peça pronta do que ter várias adiantadas.

O terceiro item a ser discutido é trabalhar bem com o aparelho. Significa instalar o aparelho de forma correta. O aparelho na verdade é a terceira mão de uma costureira e quando bem ajustado na máquina, na bancada no calcador funcionará como um facilitador, garantido maior velocidade e habilidade. Mesmo assim muitas vezes encontramos profissionais de costura com anos de profissão com dificuldade de operar com os aparelhos.

O quarto ponto é saber regular a máquina, seja essa máquina mecânica ou eletrônica. O que eu chamo de regular máquina:

  • Saber passar o fio e a linha, seu entrelaçamento que difere entre as diferentes máquinas, tais como overloque, colarete e etc.
  • Ajustar o calcador. Os calcadores das máquinas podem ser à compressão. É necessário saber ajusta-lo bem para que na hora que você levante, ele possa prender de forma correta.
  • Saber colocar um guiador na máquina. Até para você colocar um guiador na máquina esse calcador precisa estar de forma muito bem ajustada.
  • Observar o nível de óleo, pois reflete que essa máquina em breve apresentará algum problema.

Muitas empresas trabalham com manutenção corretiva e seguem o roteiro “desregulou – conserta”. O ideal é uma manutenção preventiva antes que essas máquinas apresentem algum problema. Um bom método é criar um plano de manutenção dos equipamentos. “Nessa semana vou mexer só na reta, na outra só no overloque”. Acho muito perigoso uma manutenção corretiva. Nos meus 18 anos trabalhando nessa área, vi vários problemas de trabalhar na manutenção corretiva e não a preventiva.

E por fim falarei sobre o trabalho desse profissional de máquina eletrônica. A grande maioria de profissionais atualmente são mulheres apesar de algumas regiões possuírem uma maioria de homens assim como ocorre em Minas Geais que produz peças de jeans. A incidência de homens trabalhando por lá é muito grande, pois as máquinas são muito pesadas e isso justifica que o operador destes equipamentos sejam homens.

Eu sou apaixonado por essa profissão de costura e o conteúdo desse artigo é para poder te ajudar, no entanto o mercado possui uma escassez muito grande de profissionais de máquina eletrônica. Portanto, vale muito a pena você se qualificar e tentar aprender a operar este equipamento eletrônico.

Algumas empresas que existem no mercado estão retomando a famosa escolinha. Internamente cria-se uma escolinha onde busca-se reduzir e diminuir de forma considerável todos os problemas que eu acabei de mostrar para vocês. Essa escolinha, em virtude desses problemas, é um grande braço do profissional de gestão e do empreendedor para poder desenvolver no profissional a polivalência, o ideal da não especialização e também o conhecimento de regulação de máquinas.

Você que está do outro lado, independente do tamanho de sua empresa, facção ou oficina, pense bem nessa ideia de trabalhar com a famosa escolinha. No passado era muito comum as empresas trabalharem com este processo de treinamento, fato este que com o tempo foi desaparecendo, mas ainda hoje conheço algumas empresas que fazem uso desta ferramenta. Não são muitas, mas é um grande barato você pensar em trabalhar com a escolinha, ok?

Se você gostou deste conteúdo, compartilhe com outras pessoas, eu costumo dizer que a vida é uma dupla. Vale a pena você ajudar outras pessoas, estou há 18 anos no mercado e esse é meu lema. Hoje atuo como consultor industrial atendendo empresas, pessoas físicas e com meu projeto de atendimento físico e online. Muito obrigado mesmo você estar aqui, fique ligado pois vou procurar fazer conteúdos mais práticos,  tentar entrar nas confecções e facções para trazer o melhor para você.

Então acesse lá no meu canal do youtube minha fanpage: Industria de confecção e moda e meu Blog www.luizrobertosaraiva.com.   Por fim  eu quero agradecer ao respeito de você que está do outro lado anotando tudo.

Luiz Roberto Saraiva

Luiz Roberto Saraiva em Gestão da Indústria de Confecção
Sou natural da Tijuca, no Rio de Janeiro. Tenho 47 anos, sou graduado em Administração de Empresas pelo Senai/Cetiqt e possuo pós-graduação em Logística Empresarial pela Funcefet. Depois de mais de 19 anos de atuação profissional, posso dizer que sou simplesmente apaixonado pelo mundo da indústria têxtil e de confecção do vestuário.

Deixe uma resposta